dimanche, janvier 15, 2012

 Aquele banco antiquado consumido pela chuva e pela brisa do oceano, naquele parque próximo da praia, onde já muitas pessoas se haviam sentado, tantas vidas, tantos momentos, tantos rostos, faces e expressões. Tantos choros, sorrisos, suspiros. Já tinha presenteado tantas histórias que davam grandes filmes. Tantos romances mal resolvidos, tantos romances prestes a acabar, tantos romances que permanecem e que lutam contra tudo. E aquele banco, que já tinha olhado tantos fantasmas do passado, tantos eventos do presente e previsto tantos fracassos do futuro assim como também tantos finais felizes, lutas sem descanso pelo amor verdadeiro, reviravoltas na vida de uma pessoa que muitas mentes humanas não conseguem nem sequer imaginar. Por aquele banco já haviam passado tantas raparigas, com os seus diários, cheios de segredos. Já haviam passado raparigas com as água a preencher-lhes os olhos, com temor de encarar o futuro e outras complicações. Naquele banco, já haviam se sentado, à noite rapazes, com as suas vidas agitadas, em noites de fracasso e azar. Naquele banco já haviam se sentado mães, que resolveram fazer uma pausa para os seu filhos saborearem um bom gelado. Por aquele parque, há, por todos os lados pés de donzelas em perigo, que passavam como foguetes, tentando fugir à verdade que custava a acreditar. Todo aquele espaço era sagrado, as pessoas depositavam nele os seus mais sombrios e gloriosos sentimentos de amor, paz, liberdade, tristeza, angústia. Era ali que as pessoas reflectiam, e se preparavam para enfrentar a sociedade que costumava julgá-las. E até mais que isso. Era ali que faziam o seu próprio mundo, descansavam os seus corações despedaçados e recompunham-se para novas batalhas.

9 commentaires:

  1. Por aquele parque, há, por todos os lados pés de donzelas em perigo, que passavam como foguetes, tentando fugir à verdade que custava a acreditar. Todo aquele espaço era sagrado, as pessoas depositavam nele os seus mais sombrios e gloriosos sentimentos de amor, paz, liberdade, tristeza, angústia. Era ali que as pessoas reflectiam, e se preparavam para enfrentar a sociedade que costumava julgá-las. - perfeito.

    RépondreSupprimer
  2. A vida é uma batalha! Gostei muito :)

    RépondreSupprimer
  3. era ali que a vida fazia sentido.

    RépondreSupprimer
  4. desafio :p
    http://simplesmente-lisa.blogspot.com/2012/01/vamos-isto.html

    RépondreSupprimer

''Utiliza palavras suaves e argumentos fortes''
Obrigada pela visita